Corpo e a pedagogia - com Jonathas Müller

Seguindo a série "O que você pensa sobre ...?" compartilhamos o que pensa Jonathas Müller sobre o tema: corpo.

Jonathas Müller

Pedagogo, especialista em Educação de 0 a 3 anos, dirigiu creche, foi consultor pedagógico e hoje atua como assessor pedagógico para ONG’s e escolas. Ministra palestras de formação para educadores em cursos e eventos de educação.

O que Jonathas pensa sobre o corpo?

"O convite do time Escutatório para falar sobre o corpo foi muito inusitado. O que pensamos sobre o corpo? O que sabemos ou entendemos?
Escrever me levou a buscar um pouco do que parecia óbvio. Refletir sobre algo que pensamos ser tão interiorizado é um exercício interessante de se fazer. Extrair de si uma fala que está fragmentada em pequenos flashes e conceitos, agrupando-os e dando sentido foi prazeroso. Enfim, discorrer sobre o corpo não é tão simples como pensei.

Por muito tempo corpo e cabeça eram coisas muito distintas. Privilegiava-se o exercício do aprender e, ao corpo, propunha-se contenção, restrição e repressão.
Ora, se o corpo é o limite do Eu com o mundo, há que exercitar o contato com o externo. Esse limite permeável que possibilita se apropriar das coisas que estão no mundo e na cultura, que permite deixar marcas e ser marcado, transformando quem se é.  Essa permeabilidade que leva a compreender e construir relações; que torna o indivíduo parte de um coletivo e o distingue como único; que insere e contextualiza.
Corpo é objeto de cuidar. 
Que ensina a ser cuidado, que envolve o outro consigo numa trama de afinidades.
Corpo é objeto de aprender. 
De criar entendimento do que é devido, do que é saudável, do que é construtivo e estrutura o pensamento.
Corpo é objeto de desenvolver.
De entender os mecanismos que nos levam a sair de quatro apoios e caminhar, conquistando o espaço e conhecendo as possibilidades de ir e vir.
Corpo é objeto de descobrir.
O outro é como eu. Mas é diferente. Que antítese!
Corpo é objeto de expressar.
Sentir e traduzir em gestos e posturas o que o interior contém, imprimindo suas convicções.
Corpo é objeto de contemplar.
De voltar-se para o interno. De buscar a sutileza da essência tornando-se templo em si.
Corpo é, sobretudo, uma porta aberta à descoberta.
Da relação e do isolamento; do coletivo e individual; do sacro e do profano; da licitude e do romper as regras. De ser... estar... 
O corpo é a potencialidade de viver e entregar-se ao novo, num constante ir e vir.
Assim, corpo e cabeça, espirito e mente, ação e pensamento são um. Completo e inacabado."

 


Na próxima publicação teremos a produção de um artigo com a proposta de diálogo com o texto do Jonathas. 

Escutatório